2015 FOI UM ANO DE CONQUISTAS MAS AINDA TEMOS UM LONGO CAMINHO A PERCORRER

Luis mestreNesta época de reflexão obrigatória, impõe-se cumprir o ritual de fazer um balanço, provavelmente a maioria de vós (seguidores da STV) tem uma ideia sobre o que é, de onde vem e para onde vai esta webtv regional, ora não querendo ser repetitivo e não sendo hipócrita (dizendo que crescemos imenso e que está tudo bem), resta-me tentar ser o mais sincero possível, assim…

2015 foi o ano em que assumimos a nossa condição mais regional, claro que dominada pela falta de meios e recursos  (quer humanos quer financeiros), vimo-nos obrigados a deixar cair a nomenclatura SetubalTv para adotarmos a atual STV, primeiro porque SETUBAL era demasiado redutor para toda a região, depois porque queríamos de facto servir um maior número de espectadores, que foi aliás, desde o início a nossa razão e o nosso compromisso, fizemo-lo progressivamente e em boa hora.

Os resultados foram bem acima dos por nós projectados. Hoje trabalhamos diariamente para uma região que nos traz perto das 400.000 páginas vistas mensalmente, o que nos permite afirmar sem margem de erro que estamos em condições claras e inequívocas de dar visibilidade a quem a procura. Foi também este ano, que investimos na qualidade da presença da STV nas redes sociais. Atingimos os 20.000 gostos na nossa página de facebook, fazemos publicações (várias) que alcançam mais de 100.000 pessoas.

Mantivemos um crescimento apreciável no twiter e iniciámos a nossa presença mais assídua no instagram, o que mais uma vez reforça a história da maior visibilidade para quem investe e procura comunicar.

Por último importa dizer que em termos comparativos somos o órgão de comunicação social da região com mais expressão no facebook, claramente o mais seguido, o que mais publicações faz e o que maior número de interações gera.

2015 foi portanto um ano de crescimento, contrariamente à maioria dos sectores. A internet cresceu, vemos as pessoas de telemóvel em punho a ver tudo o que as rodeia, noticias que chegam mais rápido, resultados do desporto que aparecem sem pedirmos sequer e tantas outras coisas que nos deixam sem saber viver se não tivermos telefone ou internet. Ora, se acontece assim, pergunto eu, porque razão o investimento (porque basta ver, há investimento) não é feito naquele que é “o habitat natural” das pessoas? Será que ainda não percebemos isto?

Espero que 2016 traga a todos no geral, saúde, a concretização de sonhos e ambições e dinheiro que também nos faz falta. Aos empresários, gostava que encontrassem o discernimento necessário para boas análises e tomadas de decisão, fazendo assim com que as empresas encontrem a forma de resistir a um caminho que embora sinuoso nos obriga a reinventar o negócio, que nos empurra para ser melhores, mas que principalmente nos submete a todos a uma sociedade cada vez mais consumista mas exigente, despesista mas com critério, supérflua mas não desligada do mundo.

Se faz parte dos que entende que o seu negócio melhorava com maior visibilidade, espero que estas minhas palavras lhe façam algum sentido.

Bom ano a todos.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe a sua resposta